o principezinho

«- sim, laços - disse a raposa. - ora vê: por enquanto não és para mim senão um rapazinho
perfeitamente igual a cem mil outros rapazinhos. E eu não preciso de ti. E tu também nao
precisas de mim. Por enquanto eu não sou para ti senão uma raposa igual a cem mil outras
raposas. Mas se tu me cativares passamos a precisar um do outro. Passas a ser único no mundo
para mim. E eu também passo a ser única no mundo para ti...

(...)

o princepzinho voltou no dia seguinte.
- era melhor teres vindo à mesma hora - disse a raposa. - por exemplo, se vieres às quatro
horas, às três, já eu começo a estar feliz. E quanto mais perto for da hora, mais feliz me
sinto. Às quatro em ponto hei-de estar toda agitada e toda inquieta: fico a conhecer o preço
da felicidade! Mas se chegares a uma hora qualquer, eu nunca vou saber a que horas hei-de
começar a arranjar o meu coração, a vesti-lo, a pô-lo bonito...
»

2 comentários:

«sorri, esquece, dorme, sonha; mas sobretudo, vive»