somos duas

A inevitabilidade de enfrentar mais um dia de solidão deixa-me fraca. Resistir é o principal objectivo, algo que nem sequer olho com bons olhos. Não estou feliz nem triste, mas sinto-me fraca, cansada de uma rotina que me deixa sem força para continuar a suportar a dor provocada pela falta de companhia.

Num monólogo imagino a Joana a enfrentar o que quer que seja, forte. E imagino a Rita, uma eterna sonhadora. E deparo-me com a força destas duas rivais a lutarem uma contra a outra. A joana segura de si, a enfrentar os fantasmas não só do passado mas como os do presente; e a rita fugindo, docemente, entre lágrimas e sentimentos de impotência. Em puro confronto, encontro uma característica comum às duas, nenhuma ainda teve a mais extrema ideia de desistir. Assim sinto que trabalham as duas juntas, só que a Joana, ligada à cabeça e a Rita ligada ao coração. Só assim suporto a inevitabilidade de enfrentar mais um dia de solidão.

2 comentários:

«sorri, esquece, dorme, sonha; mas sobretudo, vive»