sem data, sem sentido, sem significado

rumo sem nexo a um sítio onde já nada faz sentido. já não há equilíbrio nem estabilidade. ando à deriva prestes a cair num precipício. que queres tu de mim agora? sinto-me sufocada no meio destas quatro paredes, não há oxigénio cá dentro, não há nada que me permita respirar, sinto-me a asfixiar. neste momento já não há ninguém em quem confiar. eles mentem progressivamente. fingem ser alguém que não são e eu não quero continuar aqui trancada com eles. preciso de saber o que queres de mim. porque trouxeste esperança, agora, do nada? depois de tanto tempo, voltaste. mas não trazes o mesmo sorriso, deixaste-o para trás, trouxeste a tua voz trémula e fria, marcada pela indiferença. se não querias vir, não tinhas vindo. não devias ter vindo

encontrei este texto ontem por acaso, já nem sei quanto tempo tem

1 comentário:

  1. Adorei o texto. :O

    Eu imagino que seja dificil, mas sê forte. A verdade vem sempre ao de cima e quando isso acontecer so vais ter de pensar se perdoas ou nao. (:

    ResponderEliminar

«sorri, esquece, dorme, sonha; mas sobretudo, vive»